vinho como aperitivo

>> Confira os Vinhos e Gadgets recomendados pelo Club del Vino! <<

vinho para iniciantes e iniciados


 

Os termos Food Service (do Inglês americano) ou catering (do Inglês Britânico) define as empresas, instituições e empresas responsáveis por qualquer refeição preparada fora de casa.

Este setor inclui restaurantes, cantinas escolares e hospitalares, buffets e muitos outros serviços

 

As empresas que fornecem serviços de catering são chamadas distribuidores de alimentos.

Distribuidores de alimentos vendem produtos como pequenos itens (utensílios de cozinha) e alimentos. Algumas empresas produzem produtos nas versões para o consumidor ou para empresas.

A versão do consumidor geralmente vem em pacotes de tamanho individual com design de rótulo de varejo elaborado. A versão do serviço de alimentação é empacotada em um tamanho industrial muito maior e muitas vezes não possui os designs coloridos das etiquetas de versão do consumidor.

 

HISTÓRIA DO APERITIVO: AS ORIGENS

Os aperitivos são bebidas especiais que têm a função de preparar o organismo para a refeição.

 

O Aperitivo é um momento muito importante para nos Italianos. E um momento de agregação com as pessoas como se fosse um ritual. Um momento de relaxamento e recreação, para passar com os amigos e a família

 

Estamos sempre ansiosos para este momento no nosso final da tarde, geralmente entre 18 e 20. E durante as sextas-feiras, uma vez que você sair do trabalho. Mas você já se perguntou como nasceu esse inevitável encontro? Bem, eu sei, é por isso que hoje eu quero contar algo sobre a história do aperitivo.

 

A etimologia do termo não deixa dúvidas: é definido como um aperitivo, do latim aperitivus (que abre), uma bebida capaz de estimular portanto, “abrir” a sensação de fome.

Mas de onde vem esse significado bizarro, você se pergunta? Aqui você está satisfeito: no V. século a.c. o médico grego Hipócrates descobriu que, para aliviar a falta de apetite dos pacientes, bastava dar-lhes uma bebida, com um sabor bastante amargo, à base de vinho branco, flores de Dittamus, Absinthe e Ruta.

 

Esta mistura, que mais tarde tomou o nome de vinum hippocratum, foi então transmitida de século em século, até chegar às mãos habilidosas dos herboristas medievais.

E foram estes últimos que chegaram a uma descoberta surpreendente: o que estimulava o sentido de fome não era os ingredientes por si só mas sim o seu sabor amargo. E não é por acaso que, até hoje, as principais bebidas que gostamos de beber durante o aperitivo são principalmente bitters (amargos em Inglês), ou melhor, caracterizadas por um sabor amargo clássico!

Mas a história do Aperitivo, como a conhecemos hoje, começou em Turim. Em 1876, onde em uma pequena loja de bebidas, Antonio Benedetto Carpano deu vida ao que mais tarde se tornou a bebida de aperitivo por excelência: o vermute, um delicioso vinho com sabor de porcelana, que logo conquistaria o então rei de Itália Victor Emmanuel II.

Foi o último, de fato, quem nomeou Vermouth com a China Carpano (mais tarde chamado de Punt e Mes, para esse “pedaço e meio” extra), o Recurso Oficial do Corte.

E a partir desse dia, quase 140 anos atrás, a História do Aperitivo seguiu seu rumo, invadindo os bares e cafés da cidade de Savoy, descobrindo novos sabores, a ponto de despovoar os moradores das cidades da Itália com novos coquetéis e hábitos. Muitos Cocktails pertencem a momentos da Nossa História Exemplo O Negroni Lo Spritz.

 

Os outros licores aperitivos: Amari, Martini, Campari, Aperol

 

Se no espaço de algumas décadas Antonio Benedetto Carpano teve tanto sucesso com seu vermute que tinha uma loja aberta 24 horas, outras também seguiram a tendência dos licores de aperitivo.

 

Por exemplo, em 1815, em Milão, foi desenvolvido o primeiro aperitivo não baseado em vinho, ou seja, Amaro Ramazzotti, que é feito com uma combinação de cerca de 33 ervas.

Seu inventor, Ausano Ramazzotti, era, na verdade um farmacêutico (lembre-se da história de Hipócrates?). O verdadeiro boom da amargura chega por volta de meados de 1800, quando Ramazzotti abriu um bar perto do Teatro la Scala, onde sua amargura se tornou o aperitivo mais popular para os milaneses.

 

Sempre nas mesmas décadas em Piemonte surge um outro nome famoso que ainda estamos acostumados a associar ao aperitivo: são os produtores de vinho, Martini & Rossi, que inventam o Martini branco (também chamado de vermute branco).

É um vermute muito particular feito com vinho Moscatel e enriquecido com uma série de ervas deixadas para macerar. Logo a versão “seca” chega, com um sabor mais forte e mais amada pelo público masculino. Ainda nos mesmos anos (estamos agora na Unificação da Itália) vem outra alternativa ao vermute, que ainda hoje é muito famoso.

Esta é a Campari, criada por Gaspare Campari, que experimentou bebidas inovadoras em sua famosa cafeteria em Novara. Ainda baseado em ervas (a receita original é secreta), é caracterizada pela sua cor vermelha brilhante, e é chamada de “Bitter”, uma palavra que em alemão e inglês sempre significa amargo.

 

Davide Campari é filho de Gaspare Campari, o criador da famosa bebida. Em 1865 a família mudou-se de Novara, onde trocou licores e bebidas artesanais, em Milão, iniciando aqui a produção de «Bitter». Davide que em 1915 abriu o famoso Caffè Camparino localizado na “Galleria em Milao. Hoje a marca é famosa em todo o mundo e é um dos símbolos do estilo de vida italiano. Também é usado para fazer muitos coquetéis famosos.

 

Assassino em vermelho é o novo nome sugestivo do coquetel Campari. Apresentado a jornalistas e bartenders durante a apresentação da Campari Red Diaries Campaign, o coquetel também dá nome à curta-metragem assinada pelo diretor Paolo Sorrentino e interpretada por Clive Owen, dois gigantes do cinema que se mostraram animados em trabalhar com a marca italiana.

Se você está se perguntando como preparar Campari assassino em vermelho, eu vou revelar a receita.

 

INGREDIENTES

2,25 cl de Campari

2,25 cl de vermute branco

1,5 cl de Grand Marnier

2,25 cl de gim de camomil

Uma gota de essência de rosas.

 

O aperitivo hoje: happy hour

Se nos bares da vila ou do bairro você ainda se deparar com pessoas que fazem o aperitivo “antiquado”, que consiste em um vermute para beber na hora antes de ir almoçar, nas últimas décadas o aperitivo se tornou muito popular. “happy hour” versão que é algo decididamente diferente.

Este tipo de aperitivo começou a decolar em Milão nos anos 80 e 90, adotando o conceito do happy hour americano, para depois se espalhar pela Itália.

Com o happy hour o conceito de aperitivo muda mais uma vez: o ideal é que seja entre sair do escritório e jantar, mas muitas vezes o horário de aperitivo se expande e vai para suplantar o jantar. Também por este motivo o hábito do happy hour pode ser, pelo menos em parte, comparado à tradição das tapas espanholas, que, no entanto proporciona um modo mais itinerante, de bar em bar.

A lista de bebidas de aperitivos é ampliada para incluir vários coquetéis, entre os quais um dos mais amados é o sempre-muito-italiano Aperol Spritz (uma evolução do “Spritz”, típico do nordeste). Além dos coquetéis, as cervejas leves também costumam ser consumidas, e algumas permanecem fiéis a vários martinis secos ou Campari.

Juntamente com as bebidas, a comida está se tornando cada vez mais importante, tanto que hoje muitos restaurantes oferecem o chamado “apericena” (um termo odiado por alguns, mas que faz bem o conceito). Um rico buffet de aperitivos também está disponível para os clientes, mesmo que sejam bastante substanciais, o que pode facilmente substituir o jantar por um custo modesto.

Até à data, o aperitivo é um contexto social muito popular e difundido em Itália: menos exigente (mesmo economicamente) do que um jantar, permite-nos relaxar e estar em companhia, ver amigos.

Vamos ver exemplos de aperitivos para aperitivos.

aqui é muito importante ter a imaginação para preparar aperitivos

 

Campari com Seltz (Como servir em Milão)

-8 cl Bitter Campari (Campari deve ser mantido frizer)

-Selz

Coloque o Campari Bitter em um copo gelado e adicione o

 

Negroni

-3 cl Gin

-3 cl Martini Rosso

-3 cl Bitter Campari

-1 Fatia de laranja

Despeje todos os ingredientes diretamente no copo Old Fashioned cheio de gelo cristalino. Adicione a fatia de laranja e misture delicadamente

 

Negrosky

-3 cl Wodka

-3 cl Martini Rosso

-3 cl Campari Bitter

-1 Fatia de laranja

Despeje todos os ingredientes diretamente no copo Old Fashioned cheio de gelo cristalino. Adicione a fatia de laranja e misture delicadamente

 

Negroni Sbagliato

-4 cl Bitter Campari

-4 cl Martini Rosso -Prosecco

-1 fatia de laranja

Despeje diretamente no copo Highball cheio de gelo cristalino “Bitter Campari e Martini Rosso” e preencha com Prosecco

 

Aperol Spritz

-6 cl Aperol

-4 cl Prosecco

-Seltz

-1 Fatia de laranja

Despeje todos os ingredientes “Aperol e Prosecco e Selz. Diretamente no copo Old Fashioned preenchido com gelo cristalino. Adicione a fatia de laranja.

 

Spritz (Receita de Veneza)

-4 cl Bitter Campari

-4 cl Prosecco

-4 cl Água mineral

-1 fatia de laranja

Despeje todos os ingredientes “Amargo Campari – Prosecco e Água Mineral” diretamente no copo Old Fashioned preenchido com gelo cristalino. Adicione a fatia de laranja.

 

Manhattan

-5 cl Rye Whisky

-3 cl Martini Rosso

-Alguns gotas de Agostura Bitter

Encha a metade do “copo de mistura” de gelo aromatizado com um pouco de Angostura Bitter, adicione os outros 2 ingredientes e misture delicadamente e sirva filtrando em Coppetta Cocktail muito frio.

 

Até agora os Italianos aprenderam a apreciar a tipicidade espanhola, mas com os nomes ainda fazemos confusão: aqui está um guia para limpar sua mente

 

Comida de rua e aperitivos não são apenas tradições culinárias Italianas

É claro que “os Italianos fazem melhor”, como dizem, mas todos conhecem tapas, uma especialidade que nos referimos genericamente à Espanha e seus aperitivos típicos. Mas quais são as tapas realmente e como elas diferem dos pinchos, montaditos e bocadillos? Aqui está uma devota viagem esclarecedora ao mundo da comida de rua espanhola.

 

As Tapas

Tapas é o nome genérico usado para definir os pequenos petiscos servidos nos bares espanhóis, dos aperitivos que acompanham a bebida.

O termo tem origem na Andaluzia no século XIX e refere-se ao costume de cobrir (tapar em espanhol) o copo de vinho ou xerez em pousadas com um pedaço de pão ou presunto para impedir a entrada de insetos ou sujeira.

A tradição popular abriu num belo dia com o rei Alfonso XIII (1886 – 1941) que, a caminho de Cadiz, parou em uma taverna para descansar. Uma rajada de vento arriscou encher seu copo de vinho com areia, e então o garçom prontamente fez o que os fregueses sempre haviam feito: uma fatia de presunto no copo e fora.

Hoje eles são mini concentrados de cozinha mediterrânea com presunto, queijo e azeitonas, mas também polvo e lula frita, ou até mesmo tortilla de batatas: jovens espanhóis, especialmente nos fins de semana amam ir de tapas ou fazem o  ¨tapeo¨¨.

 

Os Pinchos

Sempre pequenas porções de comida, mas não diga aos ferozes bascos: pinchos comparados a tapas são outra coisa.

Típicos do norte da Espanha (Cantabria, La Rioja, País Basco, Navarra, Castela e Leão), os pinchos (ou pintxos) são aperitivos, canapés, espetos caracterizados pela presença de um palito que “pincha” juntos os vários ingredientes.

Em alguns bares, ainda é costume cobrar a própria conta com base no número de palitos deixados na placa no final do aperitivo. Hoje em dia, no entanto, o palito de dente nem sempre é encontrado, mas o que resta a característica mais característica dos restos de pinchos, ou seja, a sua precisão: preparar um pincho é uma verdadeira arte, uma receita em miniatura que também deve surpreender pela sua perfeição estética .

 

Montaditos e bocadillos

Um “tapé que evolui” é o montadito, que a partir de um simples canapé (da comida “montada”, colocada sobre uma fatia de pão) se tornou um sanduíche pequeno, geralmente redondo.

Um bocado de hambúrgueres, presuntos, omeletes, cogumelos, queijos, vários molhos que, quando “crescem”, transformam-se num bocadillo – ou num sanduíche recheado – também obrigatório para os aperitivos espanhóis. Impossível, se você passar por partes de Madrid, não prove o bocadillo com calamares fritos.

 

O cichéti, tapas Venezianas

Dissemos que “os Italianos fazem melhor”, até as tapas. Não sabemos melhor, mas antes de mais nada, dado que a tradição dos cichéti existe em Veneza desde antes da das tapas espanholas.

O dialeto do “cicchetto” (do latim ciccus, “pequena quantidade”) para indicar canapés e petiscos baseados principalmente em peixes servidos nas tavernas tradicionais chamadas bacari: croutons de bacalhau cremoso, anchovas marinadas, polvo estufado, mas também especialidades fritas como sardinhas em saor.

E, de acordo com o costume de pedir tapas, os venezianos respondem em dialeto, indo ao cicheti. Mas, quer chamemos pinchos, montaditos, bocadillos ou cicheti, para superar todas as barreiras e todos os paroquialismos, para unir os povos dos provadores, há apenas um grande prazer: comer com as mãos.

 

VINHOS

Conhecer e apreciar Vinhos e ‘uma coisa maravilhosa, mas a primeira coisa a aprender o que e’ vinho

O vinho é o produto da fermentação alcoólica, na presença ou ausência de bagaço, que é operado por leveduras (presentes na casca da uva).

O suco contido na uva é transformado de um líquido açucarado em um líquido alcoólico por meio de reações químicas onde os suaves transformam os açúcares em álcool, vendo uma pessoa que inclina o copo girando e saboreia o vinho e não sabe o que é vinho, entenda que isso é um absurdo.

Vinho é uma nova concepção de aperitivo

 

Características de um vinho para aperitivo

O vinho a ser proposto como aperitivo pode ser branco, vermelho, imóvel ou espumante.

O importante é que não é muito estruturado para torná-lo pesado para beber.

O vinho espumante é muito agradável, pois contribui para a limpeza das papilas gustativas, aguardando a próxima mordida. Branco em geral é adequado no verão em resorts à beira-mar. Seus aromas frutados e florais animam o paladar, desde que seja servido na temperatura certa.

O branco deve ser mantido na geladeira, mesmo a uma temperatura ligeiramente inferior, levando em conta que o calor tenderá a fazê-lo subir.

Os vinhos tintos leves são mais adequados no outono e inverno da cidade. O ar fica mais fresco e o vinho tinto dá uma agradável sensação de calor.

 

Prosecco, o tradicional vinho aperitivo

O Prosecco é um excelente aperitivo. Sua estrutura leve e bolhas tornam adequado para muitas das iguarias oferecidas pelos bares de vinho.

Muitas vezes, no entanto, há um pouco de confusão sobre isso. É chamado Prosecco qualquer vinho espumante proposto como aperitivo. Na realidade, a Prosecco refere-se exclusivamente ao vinho produzido na região de Veneto e que é comercializado sob os nomes próprios do território a que pertence.

A versão mais adequada é o espumante extra-seco, no qual o açúcar residual é maior e, portanto, menos angular, dada a simplicidade de preparação dos aperitivos. O espumante Prosecco, um espumante, não é o ideal, pois as bolhas são mais grosseiras e se adaptam bem a um prato de preparação mais complexo.

Em Veneto, Prosecco ainda vai bem com alguns lanches como uma pausa agradável.

 

 

Aperitivo com vinho branco, emoções intensas e frescas

No verão, nos balneários, o vinho branco ainda é muito popular como aperitivo. As barras de vinho oferecem combinações que lembram os vegetais sazonais, o mar e outros produtos típicos de verão.

O vinho branco para aperitivo deve ser fresco, frutado e jovem. Fresco, entendido como acompanhado por uma boa acidez que revigora o paladar. Um polvo ou salada fria de macarrão, queijos frescos, canapés com molho de atum e legumes empanados podem ser a combinação certa.

 

Vinho tinto para aperitivo

A variedade de vinhos como aperitivo varia do infinito. A palavra de ordem é certamente leve e frutada, com teor alcoólico. Se você gosta de espumante, pode optar por um Lambrusco ou Bonarda de Oltrepò Pavese.

Para aqueles que preferem vinho tinto, Bardolino, Merlot, Montelpulciano e um Sangiovese di Romagna são alguns exemplos de vinhos que podem ser agradáveis como aperitivo.

 

Novello, vinho agradável para aperitivo de outono

O Novello, nos últimos anos, (na Itália) tornou-se o verdadeiro protagonista do outono em comida e vinho.

Espera-se que o final de outubro abra esse vinho leve e frutado. Obviamente, não deve ser confundido com vinho novo. Tem uma vinificação diferente do vinho tradicionalmente compreendido.

No entanto, a ideia de provar esta novidade do período fascina jovens e idosos. Sua estrutura leve facilita a combinação com carnes curadas e queijos de meia idade.

Com castanhas representa um interlúdio agradável também pela tarde. Os aromas frutados e o baixo teor alcoólico tornam possível um típico aperitivo outonal, especialmente na cidade.

 

Os gostos do vinho aperitivos na Itália tendem a variar muito dependendo da área em que nos encontramos

No sul da Itália, a escolha do vinho geralmente recai sobre vinhos jovens com aromas de feno e muito secos, especialmente se o aperitivo for feito com base em peixes.

No centro da Itália, para acompanhar o aperitivo toscano, lazio e emilia, a escolha recairá sobre um vinho tinto harmonioso e aveludado.No norte, a seleção não é menos vasta, embora, mais do que o resto da Itália, seja quase sempre o branco para o senhor.

No Piemonte, o mais popular é um vinho fresco e delicado, com um aroma herbáceo, enquanto o Friuliano prefere um vinho branco com um sabor rico e frutado, pela sua peculiaridade de ser vinhos com aromas menos invasivos, a escolha do aperitivo. Vêneto se apaixona pelos pequenos espíritos Soave, Bardolino, Lugana e Custoza.

Nossa península oferece uma seleção de vinhos variados e sempre deliciosos, mas listá-los seria impossível. Assim como toda pessoa tem seu gosto por escolher o vinho certo para um aperitivo, toda região ou lugar tem sua oferta

Como a seleção de vinhos Domìni Veneti. Que a partir da terra veneziana de Valpolicella, chega nas mesas de amantes de toda a Itália.

Mesmo para Domìni Veneti, na verdade, o aperitivo é um momento importante, e por esta razão decidimos dar vida à Coleção do Tempo de Aperitivo, na qual encontramos o Lugana DOC e o Raudii Garganega Chardonnay IGT.

O Lugana DOC é um vinho seco, particularmente adequado para um aperitivo à base de peixe. De cor amarela palha pálida, os aromas são na sua maioria florais com um ligeiro toque de amêndoas, que no sabor é fresco e cítrico. É um vinho clássico, ideal para uma ocasião importante e com todos os tipos de refeições ligeiras.

O Lugana é um vinho branco adequado para acompanhar receitas saborosas e refinadas como, por exemplo, rolos de linguado e presunto cru para um aperitivo ou primeiros pratos à base de salmão, que não alteram o sabor deste vinho, mas melhoram-no.

O Raudii Garganega Chardonnay IGT é um vinho harmonioso e frutado. Se você optar por um aperitivo à base de vegetais e peixe, este branco com um final de boca bem amargo é para você.

Algum conselho? Experimente emparelhar Raudii com um risoto com queijo taleggio, peras e nozes, ou espargos, espinafre e creme de camarão. Seu sabor forte se casará perfeitamente com os aromas deste vinho branco.

A presença de vinho na mesa, particularmente em países onde a cultura do vinho tem raízes antigas, como Itália, França e Espanha, é uma característica que acompanha a comida do homem há séculos, ele sempre teve um importância fundamental e atenção escrupulosa.

Onde quer que o vinho estivesse presente, era invariavelmente tentado estabelecer a melhor combinação com comida, no passado, a serviço dos nobres, verdadeiros especialistas eram empregados que tinham precisamente a tarefa “delicada” de aplaudir e deleitar os paladares de seus mestres oferecendo os vinhos. mais adequado, e melhor, com as suas refeições.

Mesmo nas classes menos afluentes foi feita uma tentativa de fazer mais ou menos a mesma coisa, no entanto, a escassa disponibilidade de meios economicos e práticos não permitia uma vasta escolha de vinhos para ser emparelhado com as refeições, por isso ficamos satisfeitos com do que o lugar tinha para oferecer, tanto no copo quanto no prato, tentando, na medida do possível, adaptar um e outro para que pudessem ser felizes.

Hoje as coisas mudaram consideravelmente, o progresso dos mercados e dos meios de transporte nos permite comprar e apreciar produtos e, portanto, vinhos, vindos de lugares muito distantes daquele em que vivemos: hoje é muito comum encontrar um vinho australiano ou Nova Zelândia na Itália ou na França, por exemplo.

Esta nova oportunidade permitiu-nos explorar novos horizontes também no campo da alimentação e do vinho, uma vez que, tendo uma maior possibilidade de escolha nos vinhos, torna a combinação de comida e vinho mais flexível e mais versátil.

Sendo o tópico de comida e vinho combinando bastante vasto e complexo, vou tratá-lo em breve.


>> Confira os Vinhos e Gadgets recomendados pelo Club del Vino! <<

vinho para iniciantes e iniciados


                               

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *