porque o vinho causa embriaguez

Club del Vino, é a comunidade dos amantes de vinhos.No Club del Vino você pode criar sua área personalizada e começar a escrever e compartilhar sua própria experiência no Universo do Vinho.Ou então pode divulgar seus vinhos ou seus produtos do mundo enogastronômico.A criação da área personalizada e a publicação dos artigos são gratuitos.A ideia é de criar uma comunidade para compartilhar de forma efetiva, serviços, produtos e conteúdos que tenham a ver de alguma forma com o mundo do vinho.


>> Confira os Vinhos e Gadgets recomendados pelo Club del Vino! <<

vinho para iniciantes e iniciados


 

A ingestão excessiva de vinho e álcool geralmente leva à embriaguez, até mesmo as crianças sabem disso.

A outra certeza é que álcool, etanol ou álcool etílico, se preferir, têm efeitos tóxicos no organismo.

Bom ou ruim para quem toma vinho, aconteceu pelo menos uma vez na vida ter ultrapassado o limite.

Mesmo se o limite além do qual um indivíduo pode ser considerado bêbado varia dependendo da idade, do peso e do sexo da pessoa.

 

A cultura da Bebedeira

A bebedeira, antecâmara da embriaguez, é de certa forma socialmente tolerada em algumas circunstâncias.

A cultura da bebedeira começa em alguns casos já com 12 a 13 anos de idade.

No entanto a embriaguez por vinho assumiu diferentes significados ao longo dos milênios.

O estado de embriaguez induzido pelo álcool levou a xamãs, chefes-pessoas, profetas, àqueles estados alterados de consciência que davam (e dão) a impressão de conseguir ver qual era o nível de prazer da vida após a morte e comunicá-lo ao povo.

Foi um avanço da experiência futura do paraíso, vivida não como um indivíduo, mas como uma experiência coletiva.

 

 

Vinho, Religião e Eucaristia

Era uma cultura difundida para os judeus imaginar o céu como “… uma festa de comida gordurosa, uma festa de excelentes vinhos, comidas suculentas, vinhos finos” (Isaías 25: 6).

Da mesma forma os mesmos associavam os tristes momentos da história de seu povo à falta de vinho: “Você não bebe mais vinho com cantos, a bebida inebriante é amarga para seus bebedores … Nas ruas se queixam, porque não tem vinho, toda alegria nublada, a alegria desapareceu da terra “(Isaías 24: 9-11).

No entanto, alertavam para o consumo excessivo, como por exemplo no Salmo 23, 29 – 34: “Para aqueles que se perdem atrás do vinho e vão provar o vinho puro. Não olhe para o vinho quando ele está vermelho, quando ele brilha no copo e desce lentamente; Ele vai acabar te mordendo como uma cobra e pungindo como uma víbora. Então seus olhos verão coisas estranhas e sua mente dirá coisas desconectadas “.

O vinho ainda hoje é para os cristãos o foco central da bênção da Última Ceia de Jesus e representa na liturgia o sangue de Cristo derramado para a remissão dos pecados.

Mesmo hoje, o consumo de vinho continua sendo predominantemente um ritual coletivo, uma coisa a se fazer em casal, entre amigos, na família, raramente sozinho, a menos que haja problemas relacionados ao abuso patológico de álcool.

 

Porque o vinho causa alegria?

A natureza  solúvel do vinho na água o torna imediatamente disponível para o cérebro, mesmo para a grande quantidade de sangue que vem, o que resulta em um curto espaço de tempo uma sensação de alegria, euforia e jovialidade.

O cérebro, portanto, é o primeiro órgão a sentir os sintomas do álcool, e estes são amplificados quando se bebe com o estômago vazio, já que neste caso a absorção do álcool é maior e mais rápida.

Principalmente o álcool atua nas sinapses neuronais, deprimindo sua eficiência e gerando efeitos sedativos.

Além disso, ele interage no cérebro com uma série de receptores, alguns responsáveis ​​pelos estados excitatórios no início. Num segundo momento, os receptores responsáveis ​​pela euforia deixam o campo para a ação de outros receptores que atuam com ação inibitória.

Paralelo a isso, há um aumento na produção no cérebro da dopamina, o hormônio prazer liberada durante atividades prazerosas, como comer, fazer sexo, tomar um banho quente no inverno ou chuveiro de verão fresco, ouvir música.

 

Como o álcool do vinho é assimilado?

A eficácia com que o álcool causa rapidamente o estado de embriaguez é devido ao fato de que não é digerido, mas é absorvido pelas paredes do estômago diretamente no sangue.

Através do fluxo sanguíneo, o álcool atinge o fígado, que é a glândula capaz de produzir enzimas, como álcool desidrogenase, acetaldeído desidrogenase, acetato de tiocinase.

Estas enzimas convertem o álcool em acetaldeído e depois em acetato, que deixa o fígado e é ativado por acetil-CoA, uma fonte de energia para o corpo na ordem de cerca de 150 kcal por copo de 200 ml.

No entanto, toda vez que superamos a ingestão de vinho e o fígado já está ocupado para descartar o que já foi tomado, o caminho metabólico alternativo do Citocromo P450 (2E1) é ativado.

 

Os efeitos do álcool na saúde

Uma vez que essas duas formas de assimilação são muito ocupadas, o álcool adicional ingerido pode causar uma ação destrutiva das membranas celulares do fígado, criar disfunção no metabolismo de gorduras e açúcares, causando problemas de hipertriglicerolemia, glicemia, redução da absorção de vitaminas e sais minerais.

Se, portanto, as vias metabólicas já estão “ocupadas”, o acetaldeído resultante da conversão do álcool não é mais convertido em acetato, mas permanece em circulação no sangue até atingir o cérebro com efeitos bem conhecidos.

O acetaldeído é de fato tóxico e é responsável pela sensação de desconforto que é sentida após uma forte ressaca. É ela que causa aquela sensação de vômito, muitas vezes acompanhada de dores de cabeça excruciantes, fadiga, desidratação

 

Como se recuperar de uma ressaca?

Existem várias histórias bizarras sobre este assunto, como beber muito café amargo, ou tomar uma cerveja gelada no café da manhã com o estômago vazio.

Na verdade, a primeira coisa que deve ser feita, talvez até antes de dormir para se livrar da ressaca, é beber muita água.

O álcool tende a causar desidratação devido ao seu efeito diurético, que causa a expulsão excessiva de água do corpo, aumentando a concentração de íons salinos nos rins.

De fato, o álcool bloqueia a ação de um hormônio que regula a quantidade de água e a concentração de sais a serem excretados com urina, mantendo a eficiência renal em equilíbrio. Daqui resulta que até os rins podem sofrer, a longo prazo, danos irreversíveis devido ao álcool.

Beber muita água, portanto, causa uma eliminação mais rápida do acetaldeído que está em circulação no corpo, favorecendo a sua eliminação com a urina e com o suor.

Podemos dizer com certeza que a melhor maneira de se recuperar de uma ressaca é beber bastante água e fazer exercícios para aumentar a transpiração.

Beba e sue !!!

 

 


>> Confira os Vinhos e Gadgets recomendados pelo Club del Vino! <<

vinho para iniciantes e iniciados


 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *